Banco de Ideias

O que os jovens mudariam no mundo se pudessem?

Corrupção lidera o topo da lista, mas a presença de um chefe também seria eliminada

Em meio a uma sociedade cada vez mais desenvolvida e com tecnologias avançadas, não é incomum ver as pessoas reclamando sobre comportamentos antigos e hábitos há tempos incorporados a nossa cultura. Pensando nisso, o Nube – Núcleo Brasileiro de Estágios fez uma pesquisa com o seguinte questionamento: “Se você pudesse acabar com algo no mundo, o que seria?”. O resultado mostrou a vontade dos jovens de eliminar atitudes preconceituosas e intolerantes.

O estudo ocorreu entre 15 e 26 de janeiro e contou com a interação de 5.232 participantes de todo o Brasil, com faixa etária de 15 a 26 anos. Com 46,02%, ou 2.408 votantes, a opção “corrupção” foi a mais apontada. De acordo com a analista de treinamento do Nube, Lizandra Bastos, para mudar essa realidade, além de se manter informado, a fim de exercer adequadamente a cidadania, votar consciente e colaborar para o cumprimento de leis, é preciso ser crítico. “Devemos observar todas as formas de suborno. Desde os tidos como ‘aceitáveis’ em determinados contextos, como por exemplo a compra de DVD pirata e, consequentemente, não praticar nenhuma deles!”, afirma.

Com 22,48% (1.176), o ‘racismo’ também entrou no ranking. Mesmo sendo um crime, ainda é muito praticado e os efeitos dessa discriminação englobam desde um inconveniente, um desrespeito, diferenças de oportunidades, até a perpetuação de práticas socioculturais insensíveis e cruéis. “Podemos evidenciar alguns efeitos dessa ação nos dados coletados pelo censo brasileiro, cujos índices de pobreza, baixa escolaridade e mortalidade, por exemplo, são maiores entre os negros e ‘pardos’”, avalia a especialista.

Na visão de 17,13% (896), o “preconceito social” deveria deixar de existir. Para lidar com essa realidade é fundamental não ser conivente, aceitar e ou reproduzir práticas com raízes hostis, mesmos as aparentemente inofensivas, como certos dizeres populares. “Se posicionar diante de tais situações, com educação e coerência, ajuda a disseminar consciência. É um jeito simples e uma ótima maneira de lidar com isso”, enfatiza Lizandra.

Já para 7,05% (369), a “homofobia” é o principal problema, seguida de “intolerância religiosa”, citada por 5,93% (310). No primeiro caso, é necessário aceitar os outros como eles são e respeitar as diferenças. Já quanto ao segundo, a atitude pode causar danos até na carreira. “Impede a aproximação e o relacionamento profissional com os demais. Assim, deixa-se de conhecer outros pontos de vista, explorar habilidades e talentos, limitando o desenvolvimento”, ressalta a analista.

Por fim, 1,4% (73), a presença do “chefe” tinha de ser eliminada. Para esses, precisa ficar claro o fato das implicações de não ter um superior ser relativa ao tipo de negócio e ao perfil do profissional. “Muitos precisam de um líder para produzirem mais e melhor, já outros se saem bem sozinhos. Para esses, existem corporações com o modelo horizontal, o qual não há hierarquia”, incentiva Lizandra.

Este artigo foi originalmente publicado por Administradores.

Tags
Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Close

Adblock Detectado

Ajude-nos a manter o site no ar desabilitando seu Adblocker